•  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

Ainda no século XIX, uma mulher revolucionou o mercado de tecnologia, até então em desenvolvimento, ao criar o primeiro algoritmo a ser processado por uma máquina. Seu nome era Ada Lovelace. Nascida em Londres, foi matemática, escritora e a primeira programadora da história. Ela também teve sua importância na inserção das mulheres no mercado de trabalho.

A maior analista de sistemas da Marinha dos Estados Unidos também foi uma mulher entre os anos de 1940 e 1950. Grace Hopper foi a responsável pela criação da primeira linguagem de programação, a Flow-Matic. Além de programadora, ela também tinha PhD em matemática, sendo uma das primeiras mulheres do mundo a ter esse diploma.

Já ouviu falar da Irmã Mary Kenneth Keller? Ela foi a primeira mulher a se graduar em ciência da computação. Teve papel fundamental na criação da linguagem BASIC, além dos seus quatro livros sobre o tema e que são referências acadêmicas até hoje.

mulheres no mercado de trabalho
Mulheres no mercado de trabalho de tecnologia ainda são minoria (Foto: Unsplash)

Se nos passos pioneiros da programação uma mulher saiu na frente, por que hoje elas são minoria no mercado de trabalho? Atualmente as mulheres representam apenas 30,4% em empresas de tecnologia, segundo pesquisa feita pelo LinkedIn em 10 países. Já nos cargos de liderança esse número fica ainda menor, sendo apenas 20,6%.

Quando olhamos mais especificamente para o cenário brasileiro, ainda na faculdade, as mulheres são minorias nas graduações de tecnologia. Nos cursos de ciência da computação e afins as alunas representam apenas 17% das turmas. Os dados não mentem. A área é dominada pelos homens, mas isso está para mudar.

mulheres no mercado de trabalho
Presença feminina no Campus Party deste ano cresceu (Foto: Reprodução/Flickr)

Na Campus Party deste ano, a frase que abria o maior evento de tecnologia era “Programe como uma garota”. O aviso era bem claro: lugar de mulher também é na programação. A Acesso também esteve presente no evento e comemorou com o recorde alcançado. Neste ano a participação de mulheres campuseiras subiu para 40%, o que é um marco para o evento. Esse é só o começo para as mulheres virarem o jogo.

Na Acesso nós apoiamos a causa e convidamos mulheres a fazerem parte do nosso time de desenvolvimento. Aqui você pode conferir as vagas de todas as áreas: https://jobs.kenoby.com/acesso.